fbpx
Curtas distópycos para um futuro possível

Curtas distópycos para um futuro possível

Os curtas desta sessão são filmes que nos colocam interrogações sobre o passado e o presente ao mesmo tempo que propõem uma reflexão para os caminhos futuros. Em "Historiografia", de 2017, a diretora Amanda Pó propõe uma reflexão debochada sobre quem detém o poder de escrever a história. "Elekô", de 2015, realizado pelo coletivo Mulheres de Pedra, propõe a ressignificação de um território a partir de dores e traumas sofridos pela população negra. "Kbela", de 2015, é um curta, dirigido por Yasmin Thayná e realizado de forma colaborativa, sobre a experiência do racismo vivido cotidianamente por mulheres negras e que exercita a autorepresentação para a descoberta de uma força ancestral. "X-Manas", de 2017, dirigido por Clarissa Ribeiro, nos leva para uma viagem ao submundo, onde habitam as bichas bandidas, travestis, sapatonas boladas e todos os corpos marginalizados perante a cisheteronorma.

Lívia Perez, curadora

Historiografia

Por quem foi escrita a história?

Classificação indicativa: 10 anos Duração: 3 minutos

Elekô

Um fio de poesia vermelha conduzindo a experiência audiovisual de fazer‐se e afirmar‐se na loucura das condições de ser negra. Olhando a história a partir do porto, reconhecer e afirmar as potencias e a beleza. Parir do próprio sofrimento um horizonte de liberdade, apoio e colaboração. Encontrar na presença de outras mulheres a força do feminino e o sagrado sentido de ser, até poder celebrar a vida, em fêmea comunhão e sociedade.

Classificação indicativa: 16 anos Duração: 6 minutos

Kbela

Um olhar sensível sobre a experiência do racismo vivido cotidianamente por mulheres negras. A descoberta de uma força ancestral que emerge de seus cabelos crespos transcendendo o embranquecimento. Um exercício subjetivo de autorepresentação e empoderamento.

Classificação indicativa: Livre Duração: 21 minutos

X-MANAS

Recife, 2054. No ~submundo~ dissidentes sexuais, bichas bandidas, travestis, sapatonas boladas e todos os corpos marginalizados se reúnem e bolam um plano.

Classificação indicativa: 18 anos Duração: 17 minutos

  • É cineasta, produtora, pesquisadora e curadora. Dirigiu "Lampião da Esquina" (2016) e "Quem Matou Eloá" (2015), produziu "Uma Paciência Selvagem me Trouxe Até Aqui" (2021), dirigido por Érica Sarmet, e "Carne" (2019), dirigido por Camila Kater, exibidos e premiados em diversos festivais, como Festival Internacional de Cinema de Locarno, TIFF (Festival Internacional de Cinema de Toronto), IDFA (Festival Internacional de Documentários de Amsterdã), É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentários, Mix Brasil de Cultura da Diversidade, DOK Leipzig (Festival Internacional de Documentário e Animação de Leipzig), Hot Docs (Festival Internacional de Documentários do Canadá) e Festival de Havana. É doutoranda em Meios e Processos Audiovisuais na ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo) e em 2020 foi pesquisadora visitante na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz.

    Faça sua busca por aqui

    Pressione enter para realizar a busca ou ESC para sair

    Ao fazer seu login, você concorda com nossos termos e condições e nossa política de  privacidade.

    Ao criar sua conta no Curtaflix, você concorda com nossos termos e condições e nossa política de  privacidade.

    Todos os direitos Reservados 2021. Curtaflix